12 de abr de 2010

ANDRÉ LUIZ: O ESPÍRITO LUMINOSO

O sanitarista Carlos Chagas (1879-1934)
Em 1943, Chico Xa­vier vivia em Pedro Leopoldo (MG), sua cidade natal, quando foi contatado por um espírito que havia desencarnado no Rio de Janeiro. A entidade -- imaterial e cons­ciente de si, como todo espírito deve ser segundo as leis do es­piritismo -- disse ao médium que "ditaria" alguns livros. Chico perguntou quem ele era. E a resposta veio com outra pergun­ta: "Como é o nome do rapazinho que dorme aí no quarto ao lado?" Era uma referência ao sobrinho do médium, que se chamava André Luiz. "Então, doravante, será esse meu nome."

Começava ali uma longa par­ceria entre Chico Xavier e André Luiz. No decorrer dos 24 anos seguintes, entre 1944 e 1968, o médium mineiro psicografaria 16 obras cujo conteúdo lhe se­ria revelado por esse espírito. A primeira delas, Nosso Lar (FEB), hoje é um clássico -- o livro espírita de maior sucesso no Brasil, com quase 2 milhões de exemplares vendidos. De tão popular, acabou virando até fonte de inspiração para telenovelas. Acaba de ser adaptado para o cinema . E será para sempre conside­rado uma referência na literatura espírita brasileira.

Nosso Lar é um romance tobiográfico em que André Luiz narra seus primeiros anos de vida após a morte. A história se passa numa espécie de colônia espiritual, lugar onde os espíritos se reúnem para aprender e trabalhar entre uma encarnação e outra. A obra discute questões cruciais para a doutrina espírita, como o sentido significante do trabalho e a Lei de Causa e Efeito, a que todos, segundo o espiritismo, estariam submetidos. André Luiz, que nunca existiu, com esse nome, conta a experiência de se perceber fora do corpo, sentir-se preso a uma região de dor e escuridão -- o chamado umbral -- e entender-se, lenta e progressivamente, que a alma desencarnada tem funções importantes a cumprir.

Para os espíritas, a obra é uma revelação: uma das mensagens de consolação prometidas por Jesus à humanidade. "Essas mensagens divinas, que de tempos em tempos descem do céu para a Terra, modificando amplamente o cenário social e moral do mundo, são verdades aguardadas ansiosamente pelo coração humano", diz Lori Marli dos Santos, coordenadora do Instituto de Divulgação Espírita André Luiz, em Curitiba (PR).

Foi só depois de oito anos no umbral que André Luiz encon­trou a comunidade descrita em "Nosso Lar". Ali, descobriu que sua mãe e uma de suas irmãs esta­vam num plano mais elevado, enquanto o pai e as outras duas irmãs permaneciam em ciclos in­feriores. Ficou sabendo também que sua esposa havia se casado novamente, com um homem que estava adoecido. Como tinha sido médico em sua última encarnação, reaprendeu a exercer o antigo ofício. E tornou-se um espírito luminoso, capaz de atuar como doutor espiritual.

Especulações
 
Mas, afinal, quem teria sido André Luiz em sua vida passada? O espírito não fornece informações sobre encarnações anteriores, exceção feita à última. Sobre essa,  revela apenas alguns detalhes em Nosso Lar. Os motivos para tanto mistério teriam sido dois: poupar seus herdeiros da exposição e  evitar que essa discussão sobrepujasse a mensagem espiritual que ele tinha a apresentar.

Descontadas especulações sem qualquer fundamento, admite-se que André Luiz tenha sido um  médico sanitarista, que viveu no Rio de Janeiro entre o final do século 19 e o começo do século 20.' Teria morrido jovem, provavelme nas décadas de 1920 ou 1930, com idade na faixa dos 40 anos. "Filho de pais talvez excessivamente generosos, conquistara meus títulos universitários sem maior sacrifício, compartilhara os vícios da mocidade do meu tempo, organizara o lar, conseguira ffilhos, perseguiria situações estáveis que garantissem a tranquilidade econômica do meu grupo familiar", descreve o espírito na obra psicografada por Chico Xavier. "Mas, examinando atentamente a mim mesmo, algo me fazia experimentar a noção do tempo perdido, com a silenciosa acusação da consciência."

Alma rubro-negra
 
Com base nessas informações, três hipóteses são as mais cogi­tadas. A primeira delas sugere que André Luiz pode ter sido em sua última encarnação o médico sanitarista Carlos Chagas (1879-1934), famoso por ter descoberto o protozoário Trypanosoma cruzi -- agente causador da doença de Chagas. Para alguns especialistas no assunto, entre­tanto, a personalidade de um não combina com a do outro. Chagas era um sujeito ocupado demais com suas pesquisas, que vivia alheio aos problemas da vida cotidiana. André Luiz, por outro lado, parece ter sido um homem essencialmente prático.

A segunda hipótese aponta para outro sanitarista histórico: Osvaldo Cruz (1872-1917), pioneiro no estudo de doenças tropicais. Mas, de novo, os estudiosos iden­tificam discrepâncias de personalidade. Embora fosse um homem da ciência, Cruz era religioso, enquanto André Luizz admite em "Nosso Lar" que tratava religião como mero com­promisso social.

Para muitos espíritas, a tercei­ra hipótese é a mais plausível de todas: André Luiz teria sido o neurologista Faustino Esposei (1888-1931, ilustração abaixo). Oriundo de uma tradicional famí­lia carioca, ele deu aulas de neu­rologia e psiquiatria na Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro. Presidiu o Clube de Regatas do Flamengo três vezes, entre 1920 e 1928. E seu temperamento, dizem os defensores da tese, coincidia com o do médico cujo espírito foi parceiro de Chico Xavier. "A con­duta vibrante, a jovialidade, a inteligência, a perspicácia... Faus­tino Esposei e André Luiz tinham todas essas características em comum", afirma Lori.

A coordenadora do instituto espírita acredita que dificilmen­te saberemos quem realmente foi André Luiz. Mas as compa­rações com o ex-presidente do Flamengo, pelo menos, rendem histórias bem-humoradas entre os seguidores do espiritismo. "Em nosso mural de recados na internet, certa vez nos deparamos com uma mensagem posta por um jovem que dizia assim: se André Luiz fosse vascaíno, não teria passado tantos anos no umbral."

POR TIAGO CORDEIRO DESIGN MICHELE KANASHIRO
ILUSTRAÇÃO CAVANI ROSAS E MURILO MACIEL
SAIBA MAIS
LIVRO
Nosso Lar, Chico Xavier/André Luiz, FEB, 2008. Clássico da literatura espírita, a obra narra os primeiros anos de André Luiz após sua morte.

5 Comentários:

Anônimo disse...

Hoje o importante é aprendermos e praticarmos seus ensinamentos que são brilhates e oriundo do nosso mestre e irmão "Jesus" , pois, seu passado não nos pertence e sim somente a DEUS nosso pai eterno.
Sua passagem na escola do Umbral, que nos sirva de lição e atenção redobrada em nossas atitudes.
Fiquem na paz de DEUS !!!

Anônimo disse...

Concordo plenamente com o comentário anterior.O mais importante foram os ensinamentos que ele colocou em nossas mãos.Amor e paz a todos!

Anônimo disse...

Só o chico xavier sabia quem foi de fato andré luis, pelo menos eu acho, sinceramente as opções nem páro pra pensar.

ass: simpatizante do espiritismo que me fez deixar de ser cético.

gianaiara disse...

meu sonho é poder receber uma mensagen de dr andré luiz ou uma palavra amiga deste memtor tao maravilhoso!oque voces botaram sobre ele lindo e bom para as pessoas poderem conhecer ele melhor e o seu trabalho espiritual e que deus abençoe a todos deste site!!!!

luizvila lobos ataydes ataydes disse...

Linda misao do andre luiz, abracos fraterno em todos, luiz ataydes ,caxias. Rs

Postar um comentário

Deixe aqui seu recado ou depoimento, de forma anônima se preferir. Respeitamos a sua opinião, por isto recusaremos apenas as mensagens ofensivas e eventuais propagandas. Volte sempre!

2leep.com

Artigos mais lidos

  ©PARTIDA E CHEGADA - Todos os direitos reservados.

Template by Dicas Blogger | Topo