2 de abr de 2010

BIÓGRAFO DE CHICO XAVIER FALA SOBRE O FILME



O jornalista e escritor Marcelo Souto Maior escreveu o livro que inspirou o filme 'Chico Xavier', de Daniel Filho. Ele se sente orgulhoso de ver a história do famoso personagem nas telas do cinema.  É o que ele relatou em entrevista ao "Jornal das Dez", da GloboNews (no vídeo acima). Abaixo, trazemos os principais trechos do chat com o jornalista e escritor, realizado no dia 26/03/10, na sequência do "Globo Repórter - 100 anos de Chico Xavier". 

Qual foi a parte mais difícil na biografia de Chico Xavier?
Marcel Souto Maior: O mais difícil foi me aproximar dele. Eu era um repórter muito cético. Fui na cidade muito desinformado. Eu nem sabia que ele estava há 6 meses sem ir ao centro espírita, pois estava doente.A família disse que eu não poderia falar com ele. O Chico tinha pavor de repórter. Naquela noite quando recebi o veto, fui ao centro mesmo assim e pela surpresa de todos, o Chico apareceu. Ele sentou a dois metros de distância e depois da sessão foi muito fácil me aproximar dele. Me apresentei e pedi autorização para escrever a biografia. Ele deu uma resposta mineira. "Só Deus autoriza". Eu perguntei se Deus autorizava. Ele sorriu e disse que autorizava.

Onde você buscou informações sobre a infância de Chico?
Entrevistei 104 pessoas ao todo. Tive trabalho de entrevistar amigos e adversários. Depois fiquei três meses quase morando na Biblioteca Nacional consultando material antigo.

O senhor acha que Chico Xavier ainda demorará a se comunicar ?
O Chico teria dito que ia demorar muito a se comunicar, porque ele passou a vida inteira debruçado nas páginas. Ele brincava que quando fosse embora ele não ia escrever tão cedo.

Gostaria de saber como Chico teria passado o tal código que o identificaria nas mensagens depois do desencarne. Ele falou somente ao filho e esse aos demais, ou o médico e a amiga também ouviram direto da boca do médium?
Ele teria reunido os três e teria falado três palavras deveriam constar da primeira mensagem que ele daria do outro mundo. Isso é que o filho adotivo fala.

Existe algum centro no Rio de Janeiro que faça psicografias ?
No Rio, desconheço. Eu evito muito indicar centros. O Chico disse que o telefone toca de lá pra cá. Quando pessoas forem ao centro, elas têm que pesquisar muito antes de ir. Depois, têm que pensar na mensagem, o que consta e o que eu não falei para o médium. Tem que ter coragem de questionar a mensagem.

O que Chico Xavier significou para o mundo na época em que viveu?
O que mais me impressiona não é nem o Chico sobrenatural, mas o que viveu para se doar ao outro. Ele abriu mão da paz, do dinheiro e da privacidade para fazer bem ao outro. É uma trajetória única. Ele vive na contramão do materialismo. Isso ninguém pode questionar. As mensagens podem. Mas a trajetória dele, não.

A ciência examinou Chico. Algum exame neurológico ou algo assim?
Teve um exame, tomografias, que mostravam como o cérebro dele funcionava. Os exames mostravam que determinadas regiões do cérebro eram impactadas durante o transe.

Como o médium encarava o preconceito de outras religiões?
Havia preconceito e ainda há. O Chico é um personagem idolatrado, mas é controvertido. Ao mesmo tempo, 80% das pessoas que iam ao centro não eram espíritas. Havia muitos católicos e céticos, além de pessoas desesperadas. O próprio Chico falava que o catolicismo era o berço dele.

O que levou você a fazer uma biografia de Chico Xavier?
Foi interesse jornalístico. Me coloco nesse universo como repórter. Estou sempre investigando.

O Chico chegou a psicografar para você?
Não, nunca. Nunca pedi. Poucas vezes fui ao centro espírita.

Alguns dos seguidores de Chico Xavier já constestaram a autoria das cartas que ele piscicografava? Como se fossem falsas?
O Chico tem dissidentes. O Waldo renega mensagens psicografadas pelo Chico Xavier. Ele diz que o Chico conversava com as famílias antes e adquiria informações.

Como você auxiliou o Daniel Filho no filme, além do seu livro?

Eu fui um consultor, na verdade. Mas eu juro que não tive muito trabalho. Quando chegou o roteiro, fiquei muito feliz. Vi o filme e gostei muito.

Você leu algumas das obras psicografadas? Quais ?
Eu recomendo a leitura do primeiro livro do Chico, o "Parnaso de Além Túmulo." Foi o que projetou o Chico. Intelectuais da época estudaram o livro. O outro é o "Nosso Lar", assinado por um espírito chamado André Luis. É bem intrigante.

Como você se sentia na presença do médium?
No primeiro contato, eu era muito cético. Eu era um repórter só com interese jornalistico. Quando fui proibido de entrar na casa pela família e depois encontrei ele mesmo assim, olhei para ele sem nenhuma emoção ou admiração especial. Fiquei pensando em como me aproximar e conseguir autorização. Só pensava nisso. Comecei a sentir gotas e gotas caindo na camisa. Olhei para o teto de telha e achei que era goteira. Cheguei a me afastar no banco. Não chovia lá. Demorei para acreditar no que acontecia. Eram lágrimas que jorravam dos meus olhos. Sem emoção, sem soluço. Elas jorravam muito forte. Fiquei muito constrangido. E é verdade. Essa é a cena 1. Cena 2: escrevi um livro sobre os bastidores do filme. Eu não ia escrever, mas em janeiro sentei com o Daniel e perguntei o que tinha acontecido e o deixado impressionado. O Daniel, que é ateu, disse que não queria dirigir esse filme. Mas nada dava certo. Aí o Rodrigo, da Sony, chamou ele para almoçor e pediu para o Daniel fazer o filme. Insistiu e o Daniel aceitou. Chegou na casa dele, estava jantando e ele falou que ia dirigir o filme. A mulher perguntou por que ele estava chorando. O Daniel não tinha percebido que estava chorando.

Gostaria de saber como o Chico se portava diante de pessoas céticas, que dúvidavam de suas habilidades?
Ele se portava com absoluta paciência e tolerância. Ele dizia que ninguém precisava acreditar nele. Uma senhora disse: "Chico, meu marido é maravilhoso, bom pai e marido, mas ele não é espírita". Aí o Chico respondeu que, se ele era isso tudo, ele não precisava ser espírita. Ele nunca cobrou crença de ninguém. Viveu para ajudar o outro.

Encerramento :
Quero dar os parabéns à equipe do "Globo Repórter" e agradecer à participação de todos. Existe muita fraude nesse universo? Sim. Agora, existe verdade também. Não devemos deixar as fraudes eliminarem totalmente o nosso direito de acreditar mais e de ter fé. Se vocês duvidam, pesquisem. Às vezes perguntavam para o Chico se a pessoa estava sofrendo tanto, e ele dizia para a pessoa cuidar dessa vida, porque ela já dá trabalho demais. Então vamos cuidar dessa vida. Com fé.

1 Comentário:

Conclusiva disse...

O espirito não compreende as línguas ou os idiomas e sim as falas da matéria.
O espirito de Emmanuel recebe a mensagem em uma língua espiritual ( Os espíritos seja de qualquer nacionalidade compreende uns com os outros ) e repassa de uma forma que a pessoa como Chico Xavier entenda.
O português sempre será de Chico Xavier, Emmanuel só dita as mensagens.
Se fosse Chico um Americano, as mensagens sairão em Inglês.
Ou se fosse um japonês sairão em japonês.
Os médiuns jamais consegue interpretar ou saber outras línguas.
Ele pode até ouvi-las, mas jamais entendidas ou interpretadas.
Conclusiva

http://conclusiva.blogspot.com/

Postar um comentário

Deixe aqui seu recado ou depoimento, de forma anônima se preferir. Respeitamos a sua opinião, por isto recusaremos apenas as mensagens ofensivas e eventuais propagandas. Volte sempre!

2leep.com

Artigos mais lidos

  ©PARTIDA E CHEGADA - Todos os direitos reservados.

Template by Dicas Blogger | Topo