29 de jul de 2010

DEPRESSÃO, SÍNDROME DO PÂNICO E SUA VISÃO ESPIRITUAL

"Tudo começou na rua 25 de março, em frente à Ladeira Porto Geral. Senti uma palpitação profunda, falta de ar, uma sensação de que iria morrer, e pior, impotência para pedir socorro ou tomar decisões". Essa foi a descrição dos sintomas que a secretária Marcia Sato, 40 anos, sentiu em sua primeira crise de pânico no centro da cidade de São Paulo. Assim como ela, diversas pessoas na atualidade passam por esses e outros problemas que envolvem a mente.

A síndrome do pânico, a depressão e outras doenças psíquicas podem ter como causa outros fatores que não os físicos, segundo a doutrina espírita. De acordo com Renato Barioni, professor do tema no Centro Espírita Irmã Scheilla, nosso cérebro estaria sob influência de um espírito. "Por sermos entidades espirituais 'temporariamente encarnadas', estamos sujeitos a toda influência espiritual benigna de nossos bem feitores, ou até mesmo de irmãozinhos da oposição", disse.

Por que esses espíritos desencarnados causariam essa desordem? Os motivos são diversos. Eles podem ser espíritos obsessores por alguma inimizade de vidas passadas, e as pessoas podem também atrair energias por uma manifestação de mediunidade. De qualquer maneira, o espiritismo defende que é sempre um aprendizado passar por esses obstáculos. O fundamental é que todos mantenham o pensamento voltado para o bem e para a caridade, assim não entram em sintonia com essas baixas energias.

Após a primeira crise de pânico, Marcia decidiu enfrentar o problema. Ela procurou ajuda médica, fez exames e começou a tomar antidepressivos. "Eu era contra tomar remédios, mas foi preciso, do contrário, não sairia da crise", afirmou. Muito curiosa e preocupada com seu problema, Márcia começou a pesquisar na internet tudo relacionado ao tema, e através de artigos e conhecidos percebeu que poderia ter algo de anormal envolvido. Depois de seis meses tomando medicamento, ela foi a um centro espírita e explicou sua situação. Lá ela levou passes especiais (fluidoterapia). "Há cinco anos e meio frequento centros espíritas e posso dizer que minha vida voltou 95% ao normal. Acho que essas doenças são uma mistura de causas química, comportamentais e espirituais. Devemos cuidar dos três."

O professor Renato Barioni explica como é feito o tratamento espiritual. "O tratamento sempre é feito em etapas, com amor e dedicação. Primeiro a pessoa passa por um atendimento fraterno, que visa mensurar o problema e definir o melhor tratamento. Então a pessoa é encaminhada ao tratamento desobsessivo, quando for o caso, que incluí reposição de energias e até cirurgias quando necessário. Mas tudo isso não será permanente se a pessoa não mudar seus hábitos. Só conseguimos isso com a re-educação e entendimento da sua condição de espírito reencarnante. A pessoa deve estudar e praticar a caridade como profilaxia e defesa", afirmou.

Geralmente as pessoas procuram o tratamento espiritual depois de não encontrarem respostas e soluções nos recursos da medicina. O médico Franklin Ribeiro, psiquiatra, professor de psicologia médica da faculdade de medicina da USP e conselheiro do Hospital Psiquiatra Espírita João Evangelista, acredita neste tipo de tratamento. Apesar de muitos médicos ignorarem a questão, já existem avanços e linhas de pesquisas relacionadas ao tema. "De um modo geral os médicos não acreditam nisso. Eles enxergam a doença somente no cérebro. Em casos de transtornos muito acentuados, quadros diferentes, esses mesmos colegas médicos enviam o paciente para mim, perguntando: Será que é algo mais?", disse.

O médico leva seu conhecimento espiritual para dentro do consultório. Ao receber o paciente realiza a anamnese, espécie de entrevista, onde faz abordagens sobre a vida da pessoa, o contexto onde está inserida, e pergunta inclusive se tem alguma religião e qual o grau de envolvimento com ela. O segundo passo, e decisivo, é fazer uma série de exames para verificar se a doença não é realmente química, metabólica, ou até mesmo um quadro de repetições da mesma doença no histórico da família. Quando todas essas abordagens não funcionam bem, ele conversa com a pessoa e recomenda um tratamento espiritual. "Tenho a visão médica, psicológica e espiritual bem clara. Sei separar uma coisa da outra. Os exames são de suma importância. Não podemos relacionar tudo o que é doença com o espírito. O tratamento espiritual é complementar e não alternativo", afirmou. 

1 Comentário:

Anônimo disse...

A Medicina está cada vez mais próxima do Espiritismo,mostrando que somos espíritos eternos vivendo uma experiência física e não um corpo físico passando por uma experiência espiritual.
Ignoramos aquilo que desconhecemoss, mas quando estudamos a Doutrina Espírita passamos a entender o porquê estamos aqui e qual a nossa tarefa.
Somos parte da grande criação de DEUS e quando admitimos a nossa origem descobrimos que a felicidade está conosco e não fora de nós!!
Sugiro a leitura do Livro: Escutando Sentimentos-Wanderlei Soares de OLiveira - Ermance Dufaux
Wilson Brandão - Grupo Socorrista Dr. Bezerra de Menezes - São Paulo - SP

Postar um comentário

Deixe aqui seu recado ou depoimento, de forma anônima se preferir. Respeitamos a sua opinião, por isto recusaremos apenas as mensagens ofensivas e eventuais propagandas. Volte sempre!

Artigos mais lidos

  ©PARTIDA E CHEGADA - Todos os direitos reservados.

Template by Dicas Blogger | Topo