24 de jul de 2010

SE DEUS ME DESSE MAIS UM PEDAÇO DE VIDA...


“Se por um instante Deus se esquece-se de que sou uma marioneta de trapos e me presenteasse com mais um pedaço de vida, eu aproveitaria esse tempo o mais que pudesse.”

Possivelmente não diria tudo o que penso, mas definitivamente pensaria tudo o que digo.

Paris depuis le Quai du Louvre Daria valor às coisas, não por aquilo que valem, mas pelo que significam.

Dormiria pouco, sonharia mais, porque entendo que por cada minuto que fechamos os olhos, perdemos sessenta segundos de luz.

Andaria quando os demais se detivessem, acordaria quando os demais dormissem.

Se Deus me presenteasse com um pedaço de vida, deitava-me ao sol, deixando a descoberto, não sómente o meu corpo, como também a minha alma.

Aos homens, eu provaria quão equivocados estão ao pensar que deixam de se enamorar quando envelhecem, sem saberem que envelhecem quando deixam de se enamorar.

A um menino eu daria-lhe asas, apenas lhe pediria que aprendesse a voar.

Aos velhos ensinaria que a morte não chega com o fim da vida, mas sim com o esquecimento.

Tantas coisas aprendi com Vós homens…. Aprendi que todo o mundo quer viver no cimo da montanha, sem saber que a verdadeira felicidade está na forma de subir a escarpa.

Aprendi que quando um recém nascido aperta com a sua pequena mão, pela primeira vez, o dedo do seu pai, agarrou-o para sempre.

Aprendi que um homem só tem direito a olhar o outro de cima para baixo, quando está a ajudá-lo a levantar-se.

São tantas as coisas que pude aprender com Vocês, mas agora, realmente de pouco me irão servir, porque quando me guardarem dentro dessa caixa, infelizmente estarei morrendo .

Sempre diz o que sentes e faz o que pensas.

Supondo que hoje seria a última vez que te vou ver dormir, te abraçaria fortemente e rezaria ao Senhor para poder ser o guardião da tua alma.

Supondo que estes são os últimos minutos que te vejo, diria-te “Amo-te” e não assumiria, loucamente, que já o sabes.

Sempre existe um amanhã em que a vida nos dá outra oportunidade para fazermos as coisas bem, mas pensando que hoje é tudo o que nos resta, gostaria de dizer-te o quanto te quero, que nunca te esquecerei.

O amanhã não está assegurado a ninguém, jovens ou velhos. Hoje pode ser a última vez que vejas aqueles que amas. Por isso, não esperes mais, fá-lo hoje, porque o amanhã pode nunca chegar. Senão, lamentarás o dia em que não tiveste tempo para um sorriso, um abraço, um beijo e o teres estado muito ocupado para atenderes esse último desejo.

Mantém os que amas junto de ti, diz-lhes ao ouvido o muito que precisas deles, o quanto lhes queres e trata-os bem, aproveita para lhes dizer, “perdoa-me”, “por favor”, “obrigado” e todas as palavras de amor que conheces.

Se não o fazes hoje, amanhã também não o farás.

Este texto circula na Internet como uma carta de despedida de Gabriel Garcia Márquez aos seus amigos. Mas isto não corresponde à verdade. A falsa história afirma que o escritor sofre de um cancro linfático e escreve um poema de despedida aos amigos. O resultado foi que milhares de pessoas inundaram os sites e fóruns, com profundas manifestações de pesar e carinho pelo escritor. Mas quem não achou muita graça foi o próprio Garcia Márquez, que leu o poema e comentou: “Mais valia morrer com um cancro linfático do que ter escrito uma carta de despedida daquelas”. O texto – o título original é La Marioneta – foi escrito em 1999 e, logo aí, atribuído a Márquez. Segundo o investigador Raúl Trejo Delabre, o texto foi escrito por um ventríloquo mexicano chamado Johnny Welch como parte de um espectáculo da sua marioneta “El Mofles”. Veja em "A falsa carta de despedida de Gabriel Garcia Márquez".

1 Comentário:

"Daisy" disse...

MARAVILHOSAMENTE LINDOOOOOOO!

Postar um comentário

Deixe aqui seu recado ou depoimento, de forma anônima se preferir. Respeitamos a sua opinião, por isto recusaremos apenas as mensagens ofensivas e eventuais propagandas. Volte sempre!

2leep.com

Artigos mais lidos

  ©PARTIDA E CHEGADA - Todos os direitos reservados.

Template by Dicas Blogger | Topo