17 de out de 2010

A MORTE É NADA (DEATH IS NOTHING) - Henry S. Holland


Sermão pregado na Catedral de St Paul's, em Londres, no domingo 15 de maio de 1910. O sermão foi pregado na sequência da morte do Rei Eduardo VII, na Inglaterra, pelo padre Henry Scott Holland (27/01/1847  a 17/03/1918). No texto, ele xplora as respostas naturais, mas aparentemente contraditórias à morte: o medo do inexplicável e a crença na continuidade. Este é seu texto mais conhecido, Death is nothing (A morte é nada) :

"Amados, agora somos filhos de Deus, e ele não aparece ainda o que havemos de ser, mas sabemos que, quando ele se manifestar, seremos semelhantes a Ele, porque O veremos como Ele é. E todo aquele que nele tem esta esperança purifica-se a ele, assim como Ele é puro ". - 1 João III.2, 3
Achei que todos nós pairam relação entre duas formas de morte, Que Parecem estar em contradição sem esperança uns com os outros. Primeiro, há o recolhimento familiar e instintivo dele como a encarnação suprema e de catástrofe irrevogável ...

Mas, então, há um outro aspecto totalmente que a morte pode usar para nós. É o que vem em primeiro lugar para nós, talvez, como nós olhamos para baixo em cima o rosto calmo, tão frio e branco, de alguém que foi muito próximo e querida para nós. Lá está ele na posse de seu próprio segredo. Ele sabe que todos. Parecem saber que sentimos. E o que o cara diz que em seu silêncio doce para nós como uma última mensagem de alguém a quem amamos é:
* * *
“ A morte é nada. Ele não conta. Eu só tenho escapuliu para a próxima sala. Nada aconteceu. Tudo permanece exatamente como foi.
Eu sou eu, e você é você, ea antiga vida que vivemos tão carinhosamente juntos permanece intocada, imutável.
O que quer que fosse o outro, que ainda estamos. Chame-me pelo antigo nome familiar. Fale de mim da maneira mais fácil que você sempre usou. Não fez diferença em seu tom. Não usam ar forçado de solenidade ou mágoa. Ria como sempre riu das piadas que desfrutamos juntos. Tocar, sorrir, pensar em mim, reze por mim.
Deixe meu nome seja para sempre a palavra casa que sempre foi. Que seja falado sem esforço, sem o fantasma de uma sombra sobre ela. A vida significa tudo o que ela sempre significou. É o mesmo que sempre foi. Existe uma continuidade absoluta e inquebrável. O que é esta morte, mas um acidente desprezível? Por que eu deveria estar fora da mente, porque estou fora da vista? Estou esperando por você, mas, para um intervalo, em algum lugar muito próximo, ao virar da esquina.
 
Tudo está bem. Nada está ferido, nada está perdido. Um breve momento e tudo será como era antes. Como vamos rir do problema de separação quando nos encontrarmos novamente! ”

* * *

Na verdade, a passagem acima é de autoria controversa. No Brasil, é comumente conhecida como "Oração de Santo Agostinho", mas sem atribuição precisa da fonte e apenas indicando-a como do religioso católico argelino, radicado na Itália, Santo Agostinho de Hipona (354 a 430). Em pesquisas, foram encontradas duas versões .
De outro lado, há versões semelhantes atribuídas ao pároco da Catedral de St. Paul (Londres) e professor de Teologia da Univerdade de Oxford, na Inglaterra, Henry Scott Holland (acima),   ao padre Giacomo Perico (Ranica, 1911 - Milão, 2000), veja aqui,   e  à escritora de língua inglesa Rosamunde Pilcher, em trecho do livro "Setembro" (Bertrand Brasil, 16a. edição, Tradução de Angela do Nascimento Machado, pág. 450).

1 Comentário:

Célia disse...

Mto obrigada pelo contato, adorei receber preces, quero sim, que envie-me mais.
Sabe, acho que as coisas têm que acontecer naturalmente, e temos que tentar não
colocar tanto peso nas coisas, estou trabalhando isso em mim (não é fácil), pois sou
muito ansiosa, agitada, as coisas pra mim tem que ser de imediato, mas acho que
estou ficando mais velha e entendendo que as coisas não são bem assim...rsrsrsrs
E depois, tenho dois filhos lindos que precisam muito de mim, de segurança, carinho,
tranquilidade, e um companheiro que amo muito, não quero perder o amor de nenhum,
são os homens da minha vida !!! Mas, preciso muito, saber o que acontece na minha cabeça,
desde a depressão do início do ano: eu não sou a mesma de antes, parece que estou entre
dois mundos... parece que só uma parte de mim está funcionando, fico mto triste por isso,
já conversei mto com Deus - sabe aquela conversa franca que vc sugeriu?? - então, mas
ainda não tive melhora, preciso mto ficar boa...
Olha te agradeço de coração pela atenção, muita paz, luz, energia positiva !!!!!

Postar um comentário

Deixe aqui seu recado ou depoimento, de forma anônima se preferir. Respeitamos a sua opinião, por isto recusaremos apenas as mensagens ofensivas e eventuais propagandas. Volte sempre!

Artigos mais lidos

  ©PARTIDA E CHEGADA - Todos os direitos reservados.

Template by Dicas Blogger | Topo