4 de mai de 2011

PSICOGRAFIAS DE CHICO CRIARAM 'A SAUDADE FELIZ'

Perder um filho de forma trágica é sentir uma dor considerada indescritível. A personagem dessa história é uma mulher que sentiu em dobro “o revés de um parto”, como diria o compositor Chico Buarque. Apesar da descrição exata do poeta, o consolo para a saudade dessa mãe veio das mãos de outro Chico. A psicografia de Francisco Cândido Xavier trouxe, um ano e meio depois, informações sobre os dois filhos e os dois genros que morreram em um trágico acidente de avião. As lembranças vieram à tona com o lançamento do filme “As mães de Chico Xavier”. Anna Maria de Figueredo Temporal, hoje com 80 anos, diz que o sentimento provocado pela falta não passa, mas muda. Da carta psicografada por Chico Xavier nasceu o que ela chama de “uma saudade feliz”. Para sentir, é preciso ter paciência e, sobretudo, fé.

O relógio marcava às 9h30 do dia 5 de novembro de 1983 quando a pernambucana radicada no Ceará, Anna Maria, na época com 52 anos, chegou a uma pequena residência situada a dois quilômetros do centro de Uberaba, em Minas Gerais. Centenas de pessoas lotavam a rua à espera de um encontro com o médium popularmente conhecido como Chico Xavier. Havia gente de diversos lugares do Brasil quando, por volta das 11h30, foram distribuídas 30 senhas aos que aguardavam na fila.

Anna Maria recebeu uma delas e entrou em uma pequena sala onde Chico Xavier, ao som de uma música clássica, concentrava-se em sua mediunidade psicográfica. “Era um centro espírita relativamente pequeno para a multidão que tomava a rua toda em Minas. A primeira carta foi para uma senhora que estava do lado de fora e a segunda foi a minha. Alguém que estava atrás de mim disse que a carta era para ‘mãezinha Anna Maria e mãezinha Ivonete’. Eu disse, ‘Meu Deus, será que sou eu?’ e pedi ajuda para não me decepcionar porque sabia que todos ali estavam cedentos de saudade e dor”, lembrou.

A música clássica foi substituída por Fascinação, de Elis Regina, que tocou no casamento da fi­lha, Rosana Tem­poral, e era uma das suas canções preferidas. Rose, como é carinhosamente chamada, tinha 19 anos e era a caçula da família. Ela estava no bo­eing 727 da Vasp, que explodiu depois de chocar-se com a Serra da Aratanha, no Ceará, às 2h45 do dia 8 de ju­nho de 1982, causando a morte imediata das 137 pessoas a bordo. O marido Renato Logatto Lara, 24, o irmão Affonso Temporal, 33, e o cunhado Júlio de Almeida Fi­lho, 34, também estavam entre os passageiros. “Quando a música começou a tocar eu tive a certeza de que a minha filha estava ali. A carta é impressionante. Foram 78 folhas que eu consegui decifrar com o auxílio de amiga, porque não é fácil”, contou.

Para o espanto de Anna Maria, foram psicografadas 78 folhas que começaram com “Querida mãezinha Ana Maria e querida mãezinha Ivonete”. Na mensagem, assinada por Rosana Maria de Figueiredo Temporal de Lara, a filha diz estar feliz “ou quase feliz” e explica detalhes sobre o acidente e sobre o que chamou de viagem à vida espiritual.

7 Comentários:

Anônimo disse...

Entrei aqui hje na angustia e necessidade q sinto de ajudar uma mae q perdeu seu filho brutalmente.
Com 22 anos ele militar civil fora assacinado por uma mulher e um homem.
Mas infelizmente nao encontrei nada q possa aliviar esta mae,e sofro com ela.

Anônimo disse...

presiso mt de noticias da minha amada madrinha recem falecida mariza emiterio da conceiçao quero entender mt coisa eu a amo mt e nao aquento mais de saudades...

Anônimo disse...

perdi meu filho querido no ultimo natal com apenas nove anos gostaria muito de saber como ele esta e dizer que nos o amamos para sempre e se fosse possivel receber uma carta psicografada o nome dele e Nicholas Aiko de Oliveira nasc.14/11/02 a 25/12/11.

Soraya disse...

É msm certo que Deus nos prepara para toda guerra na nossa vida.Sou brasileira e há muitos anos atraz fiz um curso tenico em enfermagem no qual para conclusão fiz um estágio onde era responsável pelo conforto de um doente oncológico em fase terminal. Nunca havia trabalhado na área e mais para frente sempre a fazer perguntas à mim msm pra que estudei aquilo. No entanto passados 10anos, tive dificuldades financeiras e resolvi emigrar para Portugal.Conseguí um emprego em um lar de terceira idade onde encontrei um senhor português e foi AMOR À PRIMEIRA VISTA.Na sequencia passei a viver com essa pessoa e levei a mãe deste com câncro de mama para cuidar em casa. Esteve viva por 1 ano. Tinha um enorme carinho por ELA.Acho que eu significava para ELA uma proteção, pois ELA me chamava filha, quando estava lúcida ou chamava me mãe quando estava confusa.No entanto ,faleceu. Vivemos em dificuldades , mas muito felizes e unidos.A vida deu muitas voltas e ficamos bem de situação. Fizemos uma linda viagem e vivemos o amor intensamente. Em Maio /2010 descobrí que estava com câncer de mama já com metástase. Meu Amor me deu toda força e disse que estaria comigo até ao fim fosse ele qual fosse.Iniciei a preparação para a cirurgia e entre uma e outra, ELE descobriu que tambem tinha um câncer já muito avançado nos pulmões.Foram muitas lutas , fazíamos quimio e enfrentamos os tratamentos juntos. Vivemos 5 anos e nos casamos carecas e 32 dias depois ele faleceu. Mas sinto que ELE tenha se entregado à morte.Mas porquê? se ELE dizia me amar tanto?Gostaria muito de ter uma noticia dele se está bem, se sofreu muito ao partir. Se fiz bem em proporcionar o encontro dele com a filha; Ainda agora dia 14 , estava num café e uma criança de 2 anos, dizia para mim : Pára João.Não João.A vó da menina perguntou o que ela dizia e ela apontou me e disse : É o João. A senhora sem conhecer meu passado perguntou me se o meu marido chamava se João.Eu disse sim .Fiquei muito pertubada , mas depois entendí que como era dia de São valentim, e ELE todos os anos me homenageava neste dia com um lindo buquê de flores em meio ao público, penso que era para me sentir homenageada.Hoje, sei que a experiência adquirida seria para me fortalecer e apesar da solidão que me invade , a doença encontra se sob controle, mas penso no meu íntimo que vai voltar a se manifestar. Gostaria de receber uma mensagem psicografada do meu querido João Carlos Nunes Cardiga Galamas da Graça, pois sei que ELE é mesmo a minha ALMA GÊMEA.

Um abraço à todos

Soraia Teles Graça

Cantinho da Paz disse...

Queridos Irmão a todos vcs o meu abraço fraterno, pois cada um tem uma passagem de vida diferente entre ambos, DEus é sabio, ele nos convida a entender a cada historia e nos confortar atraves do espiritismo, mas para isso precisamos ler, estudar identificar e nos conter de que cada caso é um caso e se não estamos atrapalhando o progresso dos nossos entes queridos atraves da nosso apego. Oremos e confiemos em Deus, que possamos pedir ao mestre Jesus a Luz do esclarecimento, mas para isso é preciso confiar. "Confia no senhor teu Deus de todo teu coração e não te estribas no teu proprio entendimento" Jesus.
Deus abençoe a todos e que a rogativa de vcs, atraves do merecimento possa vir.

Anônimo disse...

Sou uma mãe com a dor da perda de uma filha amada de 17 anos que voltou para casa do PAI em 11/08/2009 e com o desespero de notícias fui atrás de porquês? da Nathália e agradeço á Deus por ter conhecido o mediun Paulo Cristiano Amaro Sorocaba que trouxe com muitos detalhes e particularidades que só eu meu marido e minha filha Carol sabíamos da nossa amada Ná linda assim que a chamávamos e á partir daí começamos á caminhar e entender que realmente todos nós temos um tempo determinado pela nossa evolução e nossos amados não tinham mais o que apreender aqui vamos nos unir para melhorarmos a cada dia e termos o merecimento do grande reencontro e assim que nos encontrar-mos ouvir deles que mandamos bem em nossas provas pois não estamos aqui de férias vamos aproveitar a oportunidade que Deus está nos dando e vamos nos unir pois ninguém fica eternamente aqui.Participo de um grupo de apoio a família em luto, GRUPO AMAR no Grupo Espírita Seareiros da Boa Vontade sei que vou continuar precisando desse apoio até o fim mais vou conseguir por mim meu marido Carol e pela minha eterna NATHÁLIA.Muita Força á Todos

Anônimo disse...

Sou uma mãe que não sofro com a perda do meu filho de 20 anos, ele sofreu tanto com a doença, que sei que está bem, faz 6 meses de sua partida não é fácil, hoje sinto muitas saudades dele, mas não é uma saudade dolorosa, o amor que tenho por meu filho é tão grande que o libertei para que ele prossiga em paz. Tenha certeza meu filho que sempre te amaremos, você foi muito importante em nossas vidas, estou ajudando seu pai nesse processo e sua irmã.
O nome do meu filho: Tércio Moura de Lima

Postar um comentário

Deixe aqui seu recado ou depoimento, de forma anônima se preferir. Respeitamos a sua opinião, por isto recusaremos apenas as mensagens ofensivas e eventuais propagandas. Volte sempre!

Artigos mais lidos

  ©PARTIDA E CHEGADA - Todos os direitos reservados.

Template by Dicas Blogger | Topo