16 de jul de 2011

CHICO XAVIER É TEMA DE LIVRO DE SAULO GOMES

Somente o puro e profundo amor materno para tornar real uma das mais belas lições que a vida pode proporcionar: “só existe algo mais marcante do que perder um filho: descobrir que ele continua vivo!”

Ao longo dos meus 55 anos de trabalho, sempre resolvi bem as situações inusitadas e raramente a emoção me tirou o foco do assunto a ser reportado.

Muito dificilmente eu me deixava contagiar pelo assunto jornalístico e nunca a matéria fugiu do meu controle. Quando Chico Xavier me recebeu pela primeira vez, tive que me esforçar para que esse “envolvimento” não acontecesse.

A partir de maio de 1968, data da minha primeira entrevista com Chico, na Comunhão Espírita Cristã (Uberaba, MG), e anos depois no Grupo Espírita da Prece, mais conhecido como Casa da Prece, eu documentei os mais impressionantes momentos da psicografia do extraordinário médium.

No momento em que Chico quebrava o silêncio e iniciava a leitura de mais uma psicografia, aguçava em cada um dos presentes a expectativa de ser o destinatário daquela mensagem.

Em cada reunião, das muitas a que assisti, havia a presença de mães, muitas oriundas de cidades distantes, na esperança de receber uma mensagem do filho. Quando uma delas recebia a esperada mensagem, a emoção tomava conta de todas, e, muitas vezes, o próprio Chico chorava abraçado à mãe emocionada e agradecida, e sempre recomendava:

“Minha filha, procure os necessitados, dê sua colaboração aos asilos, creches, favelas, presídios e lares muito pobres. Assim, você estará homenageando seu filho através da caridade e do amor ao próximo.”

Como sabemos, algumas dessas mensagens psicografadas, que sempre traziam conforto aos corações, tiveram importância na decisão de ações judiciais e na reconciliação de famílias.

Muitas dessas mensagens foram alvo de investigação por espíritas estudiosos do assunto, parapsicólogos, autoridades judiciais e muitos repórteres.

Existem hoje milhares de obras sociais inspiradas pelo nosso Chico, grande parte delas criadas por pais enlutados, os quais escolheram uma data significativa para uma vez por ano promover uma grande festa: no aniversário do filho, no Natal, no Dia das Crianças, no Dia das Mães, exercitando dessa maneira a caridade e o amor apregoados por Chico.

Centenas de mães receberam de Chico esse conselho e muitas já tiveram sua história contada em livros. Para registrar de maneira inesquecível comoventes experiências de “perda de filhos”, o cinema transcendental levou para as telas a história de algumas dessas mães através do filme: As mães de Chico Xavier.

Fiquei surpreso e muito honrado com o convite de Luís Eduardo Girão, produtor de As mães de Chico Xavier, para organizar o livro sobre o filme que marcou o encerramento das homenagens ao centenário de nascimento de Chico Xavier. Que felicidade me proporcionou esse convite!

Com o auxílio da competente equipe da editora InterVidas, concluímos este livro, no qual o leitor vai encontrar textos extraordinários de importantes autores focalizando os temas: morte, aborto, suicídio e drogas, propiciando uma análise impactante desses assuntos capitais.

Entrevistamos mães enlutadas, grandes companheiros de Chico Xavier e os atores que viveram, no cinema, com emoção e competência cada uma dessas histórias.

A jornalista e escritora Ana Karla Dubiela apresenta-nos momentos emocionantes e inusitados dos bastidores das filmagens, entrevistas com a equipe do filme e os desafios da sua produção.

Os fotógrafos Abrahão Otoch e Soraya Ramalho encantam-nos com suas imagens repletas de significado e sentimento.

A emoção renovada de cada uma das mães entrevistadas, a análise dos temas aqui abordados por notáveis líderes espíritas, tocantes casos reais, textos consoladores fazem parte desta obra.

A presença de Chico Xavier nos ensinamentos que nos legou, como homem exemplar e como medianeiro incomparável; a competência dos cineastas cearenses capitaneados por Glauber Filho e Halder Gomes oferecem-nos oportunidade para esclarecimento e reflexão sobre a vida além da morte.

Convido-o, amigo leitor, a uma análise extensa sobre esta obra; você vai perceber que também faz parte dela, se não como protagonista, ao menos como seu destacado coadjuvante.

Vamos à leitura! Afinal, somente o puro e profundo amor materno para tornar real uma das mais belas lições que a vida pode proporcionar: “Só existe algo mais marcante do que perder um filho: descobrir que ele continua vivo!”

SAULO GOMES
Apresentação do livro 'As Mães de Chico Xavier'

_____________________

O jornalista Saulo Gomes nasceu no Rio de Janeiro, em 2 de maio de 1928. Mais experiente repórter investigativo do país, participou ativamente de alguns dos principais momentos da rádio e da TV brasileiras. Em mais de 50 anos de atuação profissional, gerou grandes “furos” jornalísticos e desvendou casos de imensa repercussão no Brasil e no exterior, tendo recebido dezenas de prêmios. Por sua coragem em encontrar e divulgar a melhor e mais confiável informação, foi o primeiro jornalista cassado pela revolução de 1964 e enfrentou mais de 100 processos criminais e cíveis. Sua lisura e fidelidade à verdade renderam-lhe a absolvição em todos os processos. Conquistou a confiança e a amizade de Chico Xavier, com quem conviveu por mais de 30 anos, tornando-se “o repórter do Chico”. Idealizou e viabilizou a presença de Chico no programa “Pinga-Fogo” da TV Tupi, a maior audiência da história de uma produção nacional. Autor de livros e vídeos, organizador do sucesso editorial "Pinga-Fogo com Chico Xavier".

Seja o primeiro a comentar ;)

Postar um comentário

Deixe aqui seu recado ou depoimento, de forma anônima se preferir. Respeitamos a sua opinião, por isto recusaremos apenas as mensagens ofensivas e eventuais propagandas. Volte sempre!

Artigos mais lidos

  ©PARTIDA E CHEGADA - Todos os direitos reservados.

Template by Dicas Blogger | Topo